27.2.09

Crónica de um recém-desempregado VI

Agora que a carta chegou a casa e o despedimento se torna oficial, eis que aumenta a sensação de vazio. Como se largasse a mão de alguém condenado à morte mas a quem sempre recusei aceitar o destino.

1 comentário:

m.paula disse...

Não deixes que o vazio se apodere de ti.
Tens consciência que esta batalha vai ser dura, mas já te disse que sairás vencedor.
Os tempos são difíceis. Aprendeste de pequeno que as vitórias se conseguem com muito esforço.
Quando acalmar este furacão que está passar na tua vida, verás que tenho razão.
Até lá toda a força e vai sempre em frente.
Nós cá estamos para te dar a mão.
Beijo grande.